“Não acredito que o país vire as costas pro Nordeste”

Tuca Andrada, atualmente, exerce a função de diretor da peça “Nordestinos”, que relata histórias de nordestinos que moram no Rio de Janeiro e São Paulo, apresentando histórias reais e com elenco formado por atores também nordestinos. Tuca conta um pouco desse desafio na carreira, do preconceito que nordestinos sofrem nas grandes metrópoles e curiosidades sobre a carreira. Vamos conferir a entrevista?

tuca-andrada_a53239_jpg_640x480_upscale_q90

Tuca Andrada. Foto: Reprodução

Cjmartim: Como surgiu o convite para dirigir a peça “Nordestinos”?

Tuca Andrada: O Alexandre Lino, idealizador do projeto,  me fez o convite e achei a proposta muito instigando. Topei na hora!

Cjmartim: Existe uma música chamada “Protesto do Olodum”, que em determinado trecho diz: “Pro Nordeste o país vira as costas, e lá vou eu”. Acredita que o Brasil sempre virou as costas para os nordestinos, mesmo sabendo que é um povo rico culturalmente e responsáveis por grandes conquistas materiais em grandes capitais?

Tuca Andrada: Não acredito que seja o país inteiro que vire as costas pro Nordeste. Tem muita gente de outras regiões brasileiras que gosta e admira o Nordeste e os nordestinos. Porém, ainda existe sim um grande preconceito em relação aos nordestinos,  uma visão de que somos atrasados e ignorantes apesar da enorme contribuição cultural que demos para a formação do Brasil.

Cjmartim: É confortável essa função de diretor, sendo você, também um ator conhecido?

Tuca Andrada: No teatro, se você quer fazer um trabalho sério,  nenhuma posição é confortável.

Cjmartim: O preconceito contra nordestinos é velada, mesmo sendo o país rico de artistas nordestinos renomados, como Caetano, Bethânia, Gal e Gilberto Gil?

Tuca Andrada: Não acho que seja velado, basta lembrar o que vimos e ouvimos nas últimas eleições.

Cjmartim: Qual o diferencial desse espetáculo, em relação aos outros com a mesma temática: da luta de nordestinos na cidade?

Tuca Andrada: Não sei dizer mesmo. Tentei fazer um espetáculo alegre, lúdico, leve, para cima e não queria que o ressentimento e o ranço tomassem contra dele.

Cjmartim: Os atores do espetáculo, também são nordestinos.  Como funcionou o processo de escolha do elenco e quais ferramentas cada profissional apresenta, para fazer parte da peça?

Tuca Andrada:  A escolha do elenco não foi feita por mim, os atores já trabalham com a Cia Cineteatro há algum tempo.O que fiz foi conhece-los e ver o que podia aproveitar de melhor neles para a peça.

Tuca, diretor, e o elenco da peça "Nordestinos". Foto: Reprodução

Tuca, diretor, e o elenco da peça “Nordestinos”.
Foto: Reprodução

Cjmartim: A profissão de ator, em se tratando de TV, anda mais tranquila, com o leque de emissoras apostando em novelas? O mercado e oportunidades, se amplia com isso?

Tuca Andrada:  Sem dúvida que se amplia, há um número crescente de produções feitas para a tevê fechada usando atores, técnicos e temáticas brasileiras. 

Cjmartim: Com o acúmulo de personagens, como o ator consegue manter o equilíbrio emocional necessário para não perder sua identidade?

Tuca Andrada: Da mesma maneira que um psiquiatra não fica louco,  ou um médico doente, ou que um advogado não vira um marginal. 

Cjmartim:  Qual novela que participou gostaria que fosse reprisada no Vale a pena ver de Novo? Qual peça de teatro gostaria de rever nos tempos atuais?

Tuca Andrada: Novela gostaria se ver “Era uma vez”, do Walter Negrão e peça “O Vau da Sarapalha”, direção do Luiz Carlos Vasconcelos.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevistas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s