Joyce Cândido: ‘Sonhos têm de ser conciliados com muito trabalho’

A cantora Joyce Cândido apresenta o show ‘Fino Trato’, nesta quinta-feira, em Salvador, mas antes concedeu uma entrevista exclusiva, ao CJ MARTIM

_CX_9454_1

Joyce Cândido. Foto: Tuna Mayer/Divulgação

Inúmeras cantoras talentosas existem no país. Joyce não é apenas mais uma, pois é especial. Com muita humildade, docilidade e foco vem conquistado seu espaço. E como somos ávidos por novidades, ficaremos atentos aos seus passos.

Cj Martim: O estado do mercado fonográfico brasileiro é sadio ou se encontra decadente?

Joyce: O mercado fonográfico mudou. Hoje temos outros recursos, plataformas digitais, internet, que acabam substituindo a venda de CDs e DVDs. Porém, o artista que está sempre fazendo shows consegue ainda ter um bom fluxo de venda. Estamos todos buscando nos adaptar a este novo mercado e descobrindo novos caminhos. É uma fase de transição no mercado musical. 

Cj Martim: A dança e o teatro melhoraram seu desempenho nos palcos? Por que foi buscá-los em 2008, em Nova York?

Joyce: Sempre fui apaixonada pelos musicais da Broadway e por isso fui a New York. Sonhava em ver os musicais, fazer as aulas, passei três anos por lá. Além disso, cantava música brasileira nos bares nova-iorquinos. Com certeza a dança e o teatro são diferenciais no meu trabalho como cantora. Melhoram muito minha performance.

Cj Martim: Quantos meses para escolha do repertório, arranjos, concepções do seu novo show ‘Fino Trato’? Por que trazer o espetáculo para Salvador?

Joyce: Estou há quase um ano pensando no novo show, ouvindo músicas, compondo, pensando num conceito. O ‘Fino Trato’ já foi muito desejado! A ideia é viajar pelas capitais do Brasil e Salvador foi uma das nossas primeiras escolhas. Graças ao meu consultor Nilson Raman e ao querido Vitor Tranzillo, fizemos o contato com o Café Teatro Rubi, que nos recebeu superbém!

Cj Martim: Seu trabalho já perdeu, em algum momento, sentido para você?

Joyce: Perder o sentido não, mas às vezes é tão difícil…! Porém, procuro pensar que todas as profissões têm dificuldades a serem superadas, e volto a pensar que a música é minha vida e que nada me faz mais feliz do que ser cantora, proporcionar alegria e emoção para as pessoas não tem preço! 

Cj Martim: Como não se iludir com o ‘Mundo de Alice’ da fama?

Joyce: Eu acredito na música como a mais alta forma de expressão, além disso, aprendi a pensar na música como meu trabalho desde os 14 anos, quando comecei a dar aulas de piano e a cantar em eventos. Desde então, vivo da música, sem muitas fantasias. Sonhos têm de ser conciliados com muito trabalho, especialmente na realidade atual! 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s