Diyo Coêlho: ‘NÃO PENSO EM ESTERIÓTIPOS, E SIM NO PERSONAGEM’

Diyo Coêlho interpreta Jorão na minissérie ‘Jezabel’. Foto: LUKAS ALENCAR

Escolhi o ator Diyo Coêlho, o Jorão da minissérie ‘Jezabel’, para contar um pouco da experiência em trabalhar com o ator Domingos Montagner, que faleceu em 2016, e sua metodologia de trabalho para encarar a minissérie bíblica na RecordTV, algo que não é tão simples assim …

entrevista exclusiva do blog!

CJMartim: O que pensou para linguagem corporal e oral para inserir no Jorão, seu personagem na série Jezabel?

Diyo: Por se tratar de uma história bíblica, algo que aconteceu há muito tempo, e por Jorão ser um príncipe e herdeiro do trono de Israel, acabei construindo um corpo mais alinhado, até porque, diferente do irmão Acazias, Jorão é mais equilibrado, mais sensato e justo. Quanto à oralidade, tive que respeitar tudo o que estava escrito, trabalhar bastante o texto, afinal não é um linguajar tão comum e com muitos nomes difíceis.

CJMartim: Apesar de ter sido uma novela que terminou de forma trágica, que lembranças tem de ‘Velho Chico’?

Diyo: Só tenho lembranças boas, principalmente do pouco tempo que tive com o querido “mano véio” Domingos. Foi enriquecedor estar ao lado de tanta gente boa, talentosa, humilde e gravar no nordeste, no São Francisco, ser muito bem recebido pelo povo, me senti muito amado durante todo o tempo.

CJMartim:  É difícil lutar contra esteriótipos em novelas e séries? De que forma encara o problema?

Diyo: Eu procuro sempre trazer coisas minhas pros personagens, acabo não pensando muito nisso de estereótipo. Busco sempre dar o máximo de mim que possa caber ao personagem, tento não buscar muita referência fora e sim dentro, acredito que esteja funcionando.

CJMartim: Você participou da série ‘Carcereiros’, viu o inferno e o céu da rotina da penitenciária ser revelada. O sistema carcereiro no Brasil só retrocedeu nos últimos anos ou não?

Diyo: A situação do sistema penitenciário brasileiro é muito triste. Eu acredito que enquanto insistirem em construir mais cadeias que escolas, a coisa só vai definhar mais, tanto dentro quanto fora. Não acredito que se eduque com punição e, sim, com educação, desde a base. Nós retrocedemos não só no sistema penitenciário, mas em vários outros aspectos. O mundo como um todo tem evoluído apenas tecnologicamente, o que é bom, por um lado, mas por outro nem tanto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s