“O círculo da crítica teatral é bastante seletivo”

Paulo Ruch é jornalista, fotógrafo e teve um passado como ator. Possui um blog que aborda vários assuntos ligados ao entretenimento e, claro, suas significativas críticas teatrais, que não economizam nas palavras e no respeito às equipes dos espetáculos. Nesta entrevista, o jornalista revela que não gosta do termo “blogueiro”, que existe péssimo ator a olhos vistos e, ainda, revela seu respeito à classe artística.

Paulo, me desculpe, mas não vou colocar perfil em sua foto. Os mais sensíveis vão identificar que se trata de um homem apaixonado pela cultura, pelo conhecimento e que respeita o artista como se deve respeitar uma música clássica: em silêncio e sentindo a emoção tomar forma. Quanto aos mais insensíveis, não se preocupe! Depois dessa entrevista, vão olhar para sua foto e terem a percepção que existe algo mágico e transformador nos seus olhos.

13403772_1082084571881444_4475007451743219893_o
Paulo Ruch. Foto: Divulgação.

Cj Martim: Existe péssimo ator nato? Ou ele é consequência de uma direção desastrada e texto pobre do autor? Continuar lendo ““O círculo da crítica teatral é bastante seletivo””

“Estava ansiosa para conhecer a Marina Ruy Barbosa”

Isabella Koppel, em breve, se despede da Dayse, sua personagem na novela “Totalmente Demais”, grande sucesso no horário das 19h. Antes disso, em entrevista exclusiva ao blog, a atriz contou como surgiu o convite para trama e sua rápida passagem pela Record, onde atuou em  “Os Dez Mandamentos”– primeira temporada, ano passado.

Muitas atrizes mirins encantaram os telespectadores com seu brilho e sumiram como foguetes de nossas vistas. Asseguro que com a atriz vai ser diferente, porque o talento de Isabella abraça nossos corações e quem faz bem a ele damos um jeito de sempre manter por perto.

IMG_6066
Isabella Koppel. Foto: Divulgação

Cj Martim: Quando começou a surgir em você vontade de ser atriz?

Isabella Koppel: Minha irmã Julliana fazia aula de teatro e eu assistia, até que resolvi entrar também. Comecei com seis anos. Desde então, também faço aula de canto. Com o teatro, descobri que amava interpretar e cantar. Então, fiz um teste para uma peça profissional e passei. Foi quando vi que amava mesmo atuar, porque eu preferia ir para o teatro do que ir à festas .

Cj Martim:  Como conciliar estudos, gravações e vida social? Existe tranquilidade em administrar tantos compromissos?

Isabella Koppel: Continuar lendo ““Estava ansiosa para conhecer a Marina Ruy Barbosa””